Mês do Orgulho Autista #Fui

Em junho, se comemora "O Mês do Orgulho Autista". E para falar desse tema, a psicóloga Adriana Von Stein, que realiza consultas online e presenciais na Onvita Consultas e Exames, conversou sobre o assunto com Paulo Moreira, jornalista do grupo FOLHA DE COMUNICAÇÃO e apresentador do programa "Fui".

Na entrevista, Adriana explicou que o autismo é uma questão comportamental, uma "maneira de ser” e que embora não haja uma causa comprovada, o transtorno pode ser decorrente de questões genéticas e ambientais.

Os autistas sentem especial dificuldade nos relacionamentos interpessoais, na comunicação e na fala. O relacionamento interpessoal para os autistas é desgastante e por isso, normalmente, se sentem bem quando estão sós.

Quem é autista, já nasce com TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) e, ao longo da vida, não saem desse espectro, embora possam usufruir de uma melhora do quadro com a união de médicos, familiares e escola.

O diagnóstico, se feito de maneira correta e ainda na infância, ajuda no desenvolvimento do bebê e beneficia o indivíduo durante toda a vida.

Para obter o diagnóstico correto, é necessário que a criança passe por um fonoaudiólogo para verificar se não há problemas com a audição.

Além disso, outros profissionais como psicólogo, terapeuta ocupacional e psiquiatra devem trabalhar em conjunto na avaliação do paciente para o fechamento do diagnóstico.

Alguns portadores de TEA são diagnosticados somente na fase adulta, pois durante a infância, pais, professores e amigos entediam seu comportamento como "esquisito" ou "estranho" e por isso sofreram bulling e tiveram dificuldades de socialização.

Normalmente, portadores de TEA (DSM-V) têm Q.I. na média ou acima da média. No entanto, em alguns casos, quando o autismo vem acompanhado de uma comorbidade, o paciente pode sofrer de alguma deficiência intelectual.

Às vezes os pais têm dificuldade de aceitar o diagnóstico e isso dificulta o controle do quadro e o bom desenvolvimento do indivíduo ao longo da vida.

Confira os sintomas a serem observados, caso desconfie que seu filho ou algum conhecido tenha autismo:


Consulte um psicólogo! https://www.onvita.com.br/Search